Alzheimer, uma preocupação para todos nós.

No passado dia 21 de Setembro, celebou-se o Dia Mundial da Doença de Alzheimer (DA), que pretende sensibilizar a população, que esta doença degenerativa afeta cada vez mais pessoas em todo o mundo.
Alois Alzheimer, psiquiatra alemão, descreveu pela primeira vez a doença que em 1907.

O primeiro caso da doença, foi detetado na paciente Sra. Auguste Deter. A paciente tinha 51 anos e chegou ao hospital acompanhada do marido, que trazia consigo várias queixas, desde o humor que estava oscilando entre a melancolia e o contentamento. Ela não lembrava do próprio nome e esquecia o ano em que nasceu. Ao mesmo tempo, lembrava-se que tinha uma filha que morava ali perto e que se tinha casado em Berlim. Não se lembrava do nome do seu marido, nem do hospital, e nem sabia há quanto tempo estava ali.
Alois ficou fascinado nos primeiros contatos com Auguste. Estava a tentar compreender como aconteciam tantas incoerências ao mesmo tempo: lembrar-se de coisas antigas e esquecer recentes, humor oscilante e comportamento também.

O exame geral de Auguste demonstrou que ela era saudável, e o neurológico mostrou que, apesar de pequenas anomalias, estava tudo bem também. Questionava-se então, mas afinal, o que tinha Auguste?

Essa pergunta rodeou a cabeça do médico durante anos!

Em 1906, Auguste faleceu com pneumonia, e Alzheimer pode estudar o seu cérebro e compreender melhor o que acontecia com aquela paciente tão intrigante. Com o estudo do cérebro, Alzheimer chegou à conclusão de que o cérebro da paciente Auguste tinha muitas semelhanças com o de um idoso com demência senil. Além disso, notou a presença de alguns “depósitos” que lembravam placas esféricas em todo o cérebro e que hoje, sabemos que são as placas beta-amilóides.
Abaixo coloco uma imagem onde podem comparar dois cérebros. Um cérebro de uma pessoa normal e o outro de uma pessoa com Alzheimer.

(À esquerda um cérebro pessoa normal e à direita um cérebro de uma pessoa com Alzheimer.)

A Alzheimer é uma doença neurodegenerativa crónica e é a forma mais comum de demência, constituindo cerca de 50% a 70% de todos os casos.

Trata-se de uma doença que incide essencialmente nas pessoas idosas, com mais de 65 anos e que numa primeira fase é de difícil diagnóstico, em consequência da sua associação às queixas relacionadas com o envelhecimento e à sintomatologia depressiva, no entanto, é de salientar que cada vez mais tem aparecido casos em pessoas com idade inferior aos 65 anos.

Não se conhece a causa exata que leva ao desenvolvimento da Alzheimer, mas segundo os especialistas da matéria, pensam estar relacionada com uma combinação de fatores genéticos e ambientais bem como do estilo de vida (vida sedentária, hábitos tabágicos, má alimentação etc).

Manifesta-se com agravamento progressivo, lento e irreversível, que afeta principalmente as funções cognitivas, entre elas a concentração, a linguagem, a compreensão, a orientação, a atenção, o pensamento e a memória, que consequente as alterações no comportamento, na personalidade e na capacidade funcional da pessoa, dificultando a realização das suas atividades de vida diária.

A Associação Alzheimer Portugal  tem efetuado campanhas nacionais e locais de informação sobre a doença, as suas características e formas de intervenção, pois é de extrema importância que a sociedade portuguesa desmistifique e conheça a realidade da doença.

Entre as diversas campanhas passo a referenciar o Passeio da Memória que é uma caminhada solidária, que acontece em várias zonas do país e em dias diferentes. Pode obter mais informações em http://passeiodamemoria.org/pt/

Através de Amigos na demência, que visa mudar a forma como o nosso país pensa, age e fala sobre a demência, pode também obter mais informação https://www.amigosnademencia.org/sobre-a-campanha

Ou através de outros eventos, conferencias formações etc.

Quanto ao seu tratamento, até o momento não existe cura, no entanto, existem algumas medicações que parecem permitir alguma estabilização do funcionamento cognitivo nas pessoas com Doença de

Alzheimer, nas fases ligeira e moderada.

Esteja atenta, participe nas atividades e eventos para que consiga ter mais informação e faça um estilo de vida saudável!

Dr.ª Tania Coelho
Cofundadora da SENSUUM – Serviços Gerontológicos